É preciso ter calma com novos gringos

Por | 2018-07-12T13:30:21+00:00 12 de julho de 2018, 13:28 |

Tenho acompanhado as notícias de nosso glorioso Santos Futebol Clube pelo super informado Diário do Peixe e também outros veículos e é provável que nosso time contrate três atletas estrangeiros para reforçar o elenco no segundo semestre desse ano e também nas temporadas seguintes. Um deles, inclusive, já assinou e foi apresentado. Outros dois, até onde se noticia (escrevo dia 12 de julho), estão prestes a fechar acordo muito em breve.

A priori, os três atletas são qualificados para vestir a nossa camisa. Ainda mais neste momento em que sentimos falta de jogadores experientes e que possam de fato assumir papeis de liderança dentro de campo. Isso faz diferença.

Brian Ruiz já demonstrou qualidade, sobretudo na Copa do Mundo de 2014. Pude vê-lo jogar pessoalmente e tem um estilo que agrada e é experiente. Pode cair bem em nossa meia. Carlos Sánchez, confesso desconheço. O vi jogar no Mundial da Russia e pareceu ter bons atributos de um segundo volante. Ou até mesmo mais atrás protegendo a zaga. Mas também não brilhou os olhos. Já o atacante paraguaio é uma incógnita para mim. Dizem que é habilidoso e marca gols. Tomara!

Acho válida a iniciativa da diretoria de reforçar o elenco, embora mantenha a minha convicção de que temos talento de sobra em nossas categorias de base. Com o plantel atual, brigaremos no máximo contra o rebaixamento. Mas somos o Santos Futebol Clube, time acostumado com a parte de cima da tabela e precisamos de uma equipe que condiz com a nossa tradição.

Mas questiono se a solução são jogadores estrangeiros. Principalmente os sul-americanos. Será que eles são bem melhores que os atletas brasileiros? Será que por aqui não há um meia, camisa 10 capaz de conduzir nosso time? Não existe um matador bom jogando por ai que poderia vestir a nossa 9?

Sei que a resposta não é simples e que temos exemplos mil para rebater essa tese. Que o diga Rodrigão, Nilson, Matheus Ribeiro, entre outros. Mas o contrário também é verdadeiro: Diego Pituca, Vitor Bueno, Sasha, foram apostas que deram certo.

Sou do tempo em que o benefício de contratar nossos hermanos da América Latina era mais financeiro do que técnico. A diferença econômica nos favorecia e conseguíamos trazer bons jogadores por cifras mais em conta do que os brasileiros. Alguns chegaram longe, mas a grande maioria fracassou. Mas até ai o custo-benefício compensava.

Só que agora, pelas notícias que leio, o Santos está trazendo esses três gringos a peso de ouro. Com salários no teto do orçamento ou até mesmo superando-o. Será que vale mesmo? Espero que a diretoria e seus profissionais saibam o que estejam fazendo.

Como torcedores, devemos ter paciência, aguardar que se adaptem ao nosso esquema de jogo e que se entrosem rapidamente com os companheiros. Não podemos cobrá-los logo em suas primeiras apresentações. Aliás, a única cobrança é pela vontade de jogar e respeito com a nossa camisa. Isso é inegociável. Seja com os gringos ou os brasileiros!

Do mais, é preciso paciência, pois eles vem de disputa de Copa do Mundo e acostumados a uma outra realidade de futebol. Tomara que o Jair Ventura consiga integrá-los ao seu sistema o mais rápido possível.

Torço muito para que eles dêem certo e queimem a minha língua.

  • Comentar via Facebook
  • Comentar via Diário
Carregando comentrios...

Um Comentário

  1. Elysio 12 de julho de 2018 em 14:52 - Responder

    Vitor Bueno?
    Faz tempo que não joga hein?
    Inclusive , poderia tentar pesquisar pra nos santistas o que aconteceu a essa rapaz, mesmo depois da recuperação, pra ter perdido tanto a confiança.
    Falo isso por ele ter sido a minha maior decepção dos últimos anos, apostava muito nele mesmo.

Deixar um Comentário