O nosso glorioso Santos Futebol Clube se encontra nesta situação vexatória dentro de campo não somente porque temos jogadores fracos tecnicamente, em má-fase e sem nenhuma organização tática. Muitos dos problemas que levaram o time a voltar a ser chacota está na diretoria do clube. Mais precisamente na sala do presidente.

Os recentes episódios envolvendo a busca pelo um novo treinador, contratação do atacante paraguaio Derlis González e os constantes erros de arbitragem contra a nossa equipe demonstram que o José Carlos Peres ainda precisa aprender muito para comandar o maior clube de futebol do mundo.

Comecemos pela demissão de Jair Ventura e definição do novo técnico. Particularmente, não gostei da dispensa do jovem treinador. No entanto, se a decisão era por trocar de profissional, que a fizesse no período pré-Copa a fim de aproveitar o mês do Mundial para que o novo nome pudesse conhecer o elenco e impor seu estilo nos treinamentos.

Já sem comandante, o presidente não teve pulso firme para contratar quem ele tinha convicção de que deveria assumir o Santos. Pelo o que soube, ele e o executivo de futebol estavam fechados com o Zé Ricardo. Por que então não o trouxeram? Porque deram ouvidos aos demais aproveitadores da gestão. Entre eles, o vice-presidente do clube, cuja única função é mirabolar como dar o golpe para sentar na cadeira de Peres.

Inclusive, a oposição (se é que podemos dizer situação e oposição no Santos) chegou a chantagear o presidente para que não contratassem Zé Ricardo e sim o Luxemburgo, em troca da retirada do tramite do processo de impeachment no Conselho. Em vez de enfrentar essa corja e provar sua inocência, o que Peres faz? Cede às suas convicções e aos inimigos, buscando uma nova opção de consenso.

Não questiono a qualidade do Cuca. Aliás, gosto do trabalho dele, mas a decisão pelo seu nome se deu de maneira equivocada. Se o presidente e o especialista optaram por um estilo e treinador, negociaram e acordaram valores, deveriam ter seguido em frente.

Espero que Cuca dê certo, que o Santos volte a brilhar dentro de campo para que cada vez mais dependemos menos dos frouxos da tribuna de honra.