Autuori comanda planejamento do Santos para 2020 (Crédito: Ivan Storti/Santos FC)

SANTOS – É uma pena que o Santos tenha chegado a esta altura da temporada com tantas indefinições sobre seu planejamento para 2020. A principal delas, sem dúvida, é a permanência de Jorge Sampaolli. Com ele, a perspectiva é de que o clube colha os frutos do seu bom trabalho realizado este ano. Caso contrário, só o acaso pode ajudar o Peixe.

Até mesmo o principal responsável por traçar as metas do Santos para o próximo ano, o executivo de futebol Paulo Autuori, também não garante sua continuidade e já manifestou publicamente sua insatisfação com a instabilidade administrativa do clube. Algo extremamente preocupante para alguém que desembarcou na Vila há pouco mais de três meses.

Com raras exceções que só ocorrem no mundo do futebol, não é possível alcançar grandes objetivos sem um bom planejamento. Em vez de ter de se preocupar com a possível perda de Autuori e Sampaoli por não transmitir segurança a esses profissionais, a diretoria deveria estar focada em lapidar seu elenco para aumentar as chances de título em 2020.

É bom lembrar que a última conquista do Peixe foi o bicampeonato paulista de 2016, sob o comando do técnico Dorival Júnior, que ficou dois anos seguidos no cargo. Ele havia iniciado sua segunda passagem pelo clube um ano antes e contou com a base da equipe campeã em 2015 para chegar a mais um triunfo estadual.

Entre a saída de Dorival, em junho de 2017, e a chegada de Sampaolli, em janeiro deste ano, outros cinco treinadores tiveram a chance de dirigir o time da Vila Belmiro: Elano (duas vezes como interino), Levir Culpi, Jair Ventura, Serginho Chulapa (interino) e Cuca. Nenhum deles completou um ano no cargo.