Jorge Sampaoli está fazendo um início de trabalho brilhante (Crédito: Ivan Storti/Santos FC)

SANTOS – O sucesso inicial de Jorge Sampaoli no Santos já despertou a atenção até do presidente eleito da CBF, Rogério Caboclo. Pessoas próximas a José Carlo Peres contam que o futuro mandatário da entidade máxima do futebol nacional ligou nesta semana para o presidente santista e não economizou nos elogios ao novo técnico do Peixe.

Caboclo teria dito a Peres que a chegada de Sampaoli ao Brasil será muito útil ao futebol brasileiro e pode provocar até uma “revolução” na metodologia de treinamentos dos técnicos do país. “O Caboclo disse ao nosso presidente que está impressionado com o que Sampaoli fez com o time do Santos”, disse um conselheiro aliado ao cartola alvinegro.

Segundo o mesmo conselheiro, Caboclo ainda fez uma “ameaça” a Peres que soou como brincadeira, mas é capaz de deixar qualquer torcedor santista preocupado. “Ele disse para o Peres que se o Tite der bobeira vai chamar o Sampaoli para a seleção”, revelou. “Parece que foi brincadeira, mas isso a gente só vai saber mesmo lá pra frente”, completou.

A coluna tentou confirmar a informação do conselheiro com o presidente santista, mas não obteve resposta. Já um dos integrantes do Conselho Gestor do clube, Pedro Dória, reconheceu o contato feito entre Peres e Caboclo, mas minimizou a importância dos elogios a Sampaoli. “Deve ser verdade, mas nesse caso específico acho que há um certo exagero. Eles sempre se falam”, afirmou.

Ex-dirigente do São Paulo e da Federação Paulista, e atual diretor executivo da CBF, Caboclo foi eleito no ano passado e vai assumir o comando da entidade nacional no próximo mês de abril. Ele substituirá o atual presidente, Antônio Carlos Nunes, o Coronel Nunes, e seu mandato terminará em 2023.

Até hoje, apenas dois treinadores estrangeiros tiveram a honra de comandar a Seleção Brasileira, ambos em amistosos contra o Uruguai. Curiosamente, um deles também era argentino como Sampaoli, Filpo Nuñes, em 1965. O outro foi o português Jorge Gomes de Lima, conhecido como Joreca, em 1944, em parceria com Flávio Costa.