Analuyza é conhecida como Goiás (Crédito: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC)

Medalhista de bronze pela Seleção Brasileira Feminina Sub-20 na Copa do Mundo da categoria, a atacante Analuyza de apenas 18 anos é um dos destaques que compõem o elenco profissional das Sereias da Vila. Em papo especial com o DIÁRIO, ela projetou a sequência da equipe na temporada pelo Paulistão Feminino e Ladies Cup.

“Nós estamos focadas e vamos em busca de bons resultados no Paulista. Queremos chegar às fases finais e brigar pelo título. Se vamos conseguir é outra história. O importante é desempenharmos um bom papel e o resultado será consequência disso. Sabemos, também, que teremos no fim da temporada a Ladies Cup, uma competição com equipes qualificadas e vamos entrar com o objetivo de brigar nas fases finais, assim como no Paulistão.”, analisou.

Com a chegada do técnico Kleiton Lima, a jogadora falou da briga para conquistar mais espaço no Santos e elogiou o trabalho do treinador que foi importante na história do futebol feminino do clube.

“Tenho como meta seguir trabalhando com a mesma seriedade e foco de antes. Sei que conseguir mais espaço na equipe ou não vai depender do meu desempenho no dia a dia e sigo buscando melhorar cada vez mais para ajudar minha equipe, seja saindo do banco ou iniciando os duelos. Meu objetivo primário é, e sempre foi, o Santos e é por isso que sigo trabalhando.”, comentou.

“O professor Kleiton Lima tem uma carreira brilhante, não atoa está de volta a equipe do Santos. Sei que ele dará o seu melhor para passar o máximo de conhecimento técnico e tático para as atletas, especialmente as mais jovens como eu. Sigo buscando pegar o melhor de cada treinador no qual tive a oportunidade de trabalhar e, assim, evoluir cada vez mais. Cada treinador tem sua parcela de contribuição nas jovens atletas com quem trabalham e comigo não será diferente. Tenho certeza que vou evoluir muito com o professor.”, acrescentou.

Natural de Cristalina, no estado de Goiás, Analuyza tem o apelido carinhoso de “Goiás” entre as companheiras. Ao DIÁRIO, a atleta avaliou o crescimento do futebol feminino em seu estado e revelou o desejo de ajudar na evolução da modalidade em todo o país.

“O futebol feminino, como um todo, vem evoluindo e em Goiás não é diferente. Um exemplo disso é o Aliança-GO, clube que tive a oportunidade de jogar, hoje o estado tem representantes na A2, incluindo o Aliança, e isso é fruto de muito trabalho dos clubes e, claro, das meninas que estão lá. No momento estou focada na minha trajetória aqui no Santos, mas sempre que possível vejo os jogos das equipes e converso com algumas atletas. Espero mais pra frente poder ajudar o futebol feminino a se desenvolver cada vez mais, não só em Goiás, mas em todo o Brasil.”, ressaltou.

“Goiás” tem representado seu estado nas frequentes convocações para a Seleção Feminina de base. Na Copa do Mundo Feminina Sub-20 neste mês de agosto, ela esteve na campanha do Brasil na conquista do Bronze da competição e avaliou o desempenho da equipe.

“Foi uma competição muito difícil. Sabíamos que poderíamos conquistar um lugar no pódio, mas para isso precisaríamos estar concentradas. Conseguimos, graças ao esforço de todo o grupo, nos fecharmos e conquistarmos, após 16 anos, uma medalha de Bronze e igualar a melhor campanha da história do país na disputa. Fiquei com a sensação que poderíamos ter conseguido um melhor resultado, mas o futebol tem dessas coisas e a bola infelizmente não entrou. Entretanto, sabemos da importância e do tamanho do nosso feito e devemos comemorar. O grupo todo está de parabéns.”, analisou.

Destaque desde mais nova na base, Analuyza contou sobre a diferença de atuar já no cenário do profissional feminino e revelou que algumas características no seu estilo de jogar foram alteradas pelo posicionamento e preocupação também tática.

“Sempre fui uma atleta que poderia jogar mais avançada ou mais recuada, dependia do que a equipe e o treinador precisavam. Sempre busquei e me coloquei à disposição para ajudar o grupo seja jogando mais no último terço, onde o 1 contra 1 e a velocidade são fundamentais, ou seja atuando mais na construção, onde o principal fundamento deixa de ser o 1 contra 1 e a velocidade e passa a ser exigido mais o passe e a intensidade de jogar com e sem a bola. Acredito que posso atuar tanto mais avançada quanto mais recuada e, dependendo da posição e da estratégia de jogo o meu estilo para aquela partida pode mudar um pouco, mas sem deixar minha qualidade de jogo cair.”, afirmou.

A atacante cresceu e se desenvolveu ao lado de outras Sereinhas na base no Santos e na Seleção. A meia Laura Valverde, a zagueira Sassá e as meias-atacantes Nicole Marussi e Gi Fernandes. Ela comentou sobre o entrosamento com as meninas mais novas e a mescla com as experientes.

“O entrosamento do grupo é muito bom, tanto dentro quanto fora do campo. Lógico que por ter vindo da base com algumas atletas o entendimento com elas é mais natural, pois já estamos muito acostumadas a trabalhar juntas. Entretanto, o entrosamento com as mais experientes também é ótimo, elas sempre nos aconselham e nos ajudam a melhorar.”, ressaltou.

Analuyza é referência para as garotas mais novas do Projeto Meninas em Campo que tem essa parceria com o Santos e se vê na responsabilidade de auxiliar outras jogadoras na busca por seus objetivos.

“Sei que, embora muito nova, já sou exemplo para as atletas ainda mais jovens que eu. Sei da responsabilidade de fazer um bom papel e tentar mostrar a elas o melhor caminho para conseguir conquistar os objetivos. Sei também que, por ser nova, vou errar também, mas isso faz parte do processo de crescimento. Sempre que possível tento passar isso pras mais novas e ajudar no que eu posso. O Santos sempre foi conhecido por revelar talentos, isso vale tanto para o masculino quanto para o feminino. Temos uma base muito qualificada e todas as atletas que estão ali tem o potencial para chegar ao profissional e ajudar o clube.”, concluiu.