O meia Evandro comandou a vitória do Santos sobre a Chapecoense (Crédito: Ivan Storti/SantosFC)

O meia Evandro fez um gol, deu passe para o outro e comandou a vitória do Santos diante da Chapecoense na noite deste domingo, na Vila Belmiro. O jogo teve boas atuações também de Lucas Veríssimo, Felipe Jonatan e Alison. Tailson e Derlis González não foram bem. Confira a avaliação do DIÁRIO.

Everson – Deu um susto em uma cobrança de escanteio do meia Camilo e não foi exigido no restante do jogo. Nota 5,0

Victor Ferraz – Voltou ao time visivelmente inseguro. Maioria dos passes foi mais simples, para a defesa e errou alguns passes em tentativas mais longas. Nota 5,0

Lucas Veríssimo – Fez um gol e não teve muito trabalho com os atacantes da Chapecoense. Nota 7,5

Gustavo Henrique – Atuação no nível do companheiro. Chapecoense pouco ameaçou. Nota 7,0

Felipe Jonatan – Seguro na marcação e bastante participativo no apoio ao ataque. Demonstrou mais vontade que a média. Nota 7,0

Alison – Tomou conta do meio-campo e ganhou praticamente todas as jogadas. Nota 7,5

Evandro – O dono do jogo. Fez linda jogada no primeiro gol e foi oportunista no segundo. Terceira boa partida seguida. Nota 8,0

Diego Pituca – Entrou para reforçar a marcação no meio, mas não teve muito trabalho. Nota 5,5

Carlos Sánchez – Pecou nas finalizações e abusou dos lançamentos longos. Quando acertou, levou perigo. Nota 5,5

Marinho – Mostrou a vontade de sempre, mas não conseguiu ser eficiente dessa vez e perdeu a maioria dos duelos individuais. Nota 5,0

Eduardo Sasha – Fez uma grande jogada no primeiro tempo em que parou no goleiro da Chapecoense e foi sempre uma boa opção no pivô. Nota 6,5

Kaio Jorge – Jogou pouco tempo. Sem nota

Tailson – Atuação bem discreta. Não conseguiu levar vantagem sobre os marcados. Nota 4,0

Derlis González – Um pouco melhor que Tailson, mas pouco produtivo para o time. Nota 4,5

Jorge Sampaoli (Jorge Desio) – O time entrou com a melhor escalação possível e matou o jogo de forma tranquila, mas fez falta na beira do gramado para contagiar a equipe com suas cobranças. Intensidade após os gols caiu muito. Nota 6,5